Mesmo sob ataque, Bolsonaro continua com poder de fogo no universo digital

Mesmo sob ataque, Bolsonaro continua com poder de fogo no universo digital
(Brasília - DF, 21/06/2019) Pronunciamento do Presidente da República. Foto: Marcos Corrêa/PR

Por Manoel Fernandes – Diretor BITES

O presidente Jair Bolsonaro amanheceu hoje com 31,1 milhões de perfis seguindo suas contas oficiais no Twitter, Facebook, Instagram e Youtube, de acordo com a base de dados do Sistema Analítico BITES.

Na lista de dez líderes mundiais que acompanhamos diariamente no universo digital, Bolsonaro é o terceiro em número de seguidores.

Ele perde apenas para o primeiro ministro da Índia, Narenda Modi (125 milhões) e Donald Trump (102 milhões).

O presidente brasileiro ultrapassa os seus colegas da Turquia, Recep Erdogan (29,3 milhões); do México, Lopez Obrador (13,8 milhões); e da França, Emannuel Macron (8 milhões).

Esses números, e o conjunto de outras variáveis que utilizamos para medir a força de propagação e aderência de um agente político ou uma marca no mundo digital, indicam que o presidente Bolsonaro continua com sua capacidade inalterada de propagar suas mensagens junto à opinião pública digital.

Nesse ponto, precisamos separar a percepção da realidade. É certo que a imagem do presidente junto aos formadores de opinião nacionais e internacionais está sofrendo abalos diários.

Também é certo, que o seu poder de reação ainda não foi neutralizado, e amparado no mundo digital ele pode ter uma estratégia de saída dessa encruzilhada.

Acreditamos que seus aliados na Internet continuam mobilizados contra movimentos contrários às visões do presidente, traduzidos nos resultados das últimas pesquisas clássicas de opinião. Na rede, ainda não identificamos o derretimento do prestígio de Bolsonaro.

Os números abaixo foram utilizados para chegar nessa análise:

1) De 01 de janeiro até às 10h30 de hoje, 05 de setembro, a taxa média de crescimento diário da base de seguidores de Bolsonaro ficou em 0,13%. Nesse contexto, o pior dia do presidente foi em 13 de fevereiro quando sumiram 227 mil seguidores da sua conta devido a um erro técnico reconhecido pelo Instagram. No dia seguinte, outros 295 mil fãs foram adicionados ao perfil.

2) De janeiro a julho, a taxa diária de crescimento dos perfis do presidente ficou em 0,19% contra 0,09% entre julho a setembro. Mas, esse número não pode ser considerado uma tendência de perda de capacidade de influenciar os debates na Internet.

3) O volume de interações nos perfis de Bolsonaro (RTs, curtir e compartilhamentos do presidente) continua em patamar semelhante ao início do governo.

4) De janeiro até às 10h30 de hoje, Bolsonaro fez 3.950 posts que alcançaram 563 milhões de interações, sendo 363,5 milhões apenas no Instagram, hoje o principal canal de comunicação do presidente. Essa média ficou em 142.688 interações por post.

5) Quando verificamos o intervalo de janeiro a março, Bolsonaro alcançou 214,2 milhões de interações em 1464 posts que registaram média de 146.371 por post. De junho a setembro, o volume de interações chegou a 218,6 milhões em 1.435 posts para a média de 152.386.

6) Portanto, não registramos até agora uma desaceleração na capacidade de Bolsonaro impulsionar as suas mensagens em várias direções.

Fechar Menu